Assinado, C.D.

Bom aqui vai meu desabafo: meu nome é X, tenho 36 anos e sou mãe de duas crianças lindas e saudáveis: XY de 7 anos e XX de 3. O XY sempre foi um sossego, apresentando problemas normais de comportamento como desobediência e uma mentirinha de vez em quando, nada demais. Mas vamos à história da minha caçula. Quando XY tinha 2 anos e meio, resolvi largar o AC e me aventurar mais uma vez no mundo mágico das gestantes. Um ano e um aborto espontâneo muito sofrido depois meu pequeno sonho finalmente chegou. E era uma menina, perfeita do jeito que eu sempre sonhei. Nasceu como uma bonequinha parecia aquelas de loja, cheirosa, fofinha e risonha, eu fui e sou a mãe mais feliz do mundo por ter ela. Mas de uns tempos pra cá as coisas vem ficando bem difíceis. Minha princesa, além de ter um temperamento do tipo sai de baixo, é hiperativa, mas hiperativa de verdade, do tipo que a gente vai pra praia para descansar e volta mais cansada. Continuar lendo

Assinado, K.K.

Boa tarde, adoro seu blog e me identifico com várias das coisas que você publica. Eu não sei bem por onde começar esse desabafo, porque muitas vezes me sinto só. Sem ninguém pra quem possa dizer o que me deixa bem pra baixo.
Descobri que estava grávida depois que tinha terminado o relacionamento, foi um susto, mas me mantive forte. Durante toda a gravidez tive apoio dos meus pais e amigos, mas assim como agora me sentia só. Ninguém entendia o que estava passando, os meus medos, receios, nem imaginavam pelo preconceito que sofria quando dizia que não tinha casado e que era produção independente. Sempre fui clara com o pai da minha filha, falando que a casa estava aberta para ele visitar ou se quisesse me ajudar. Ele dizia para os outros que eu mandei ele não chegar perto, que não queria ele envolvido em nada. Que eu era louca. Continuar lendo

Assinado, Q.Y.

Vou escrever inbox pq tenho o infeliz do ex e sua família no face e td q eu escrevo eles acompanham… Na verdade eu precisava desabafar, com alguém q nem precisa me entender, mas só de não julgar já vale! Olha a hora, to exausta mas não consigo dormir… Depois de mto chorar hj lembrei do seu blog e foi o q fez eu me acalmar um pouco… Meu ex havia me convidado para encontrá-lo numa viagem d negócios Continuar lendo

Assinado, Mãe no Divã

Eu nunca durmo.
Só quem passa por restrição extrema de sono pode falar da angústia que é.
Não me lembro da última noite que eu dormi inteira. As vezes, até duvido que ela tenha se quer, existido.
Meu sono já está tão prejudicado que mesmo que eu não durma com o meu filho, eu não consigo dormir. Meu corpo já se acostumou com essa situação.
Se acostumou não, porque não acredito que seja possível se acostumar com tamanha atrocidade, mas ele já a tomou como verdade.
Você, que nunca caiu aos prantos de tanto sono, que nunca implorou com toda a sua força para que o seu filho dormisse ou que não se apavora ao ver a noite chegar por medo da dor que vai sentir por ter seu sono interrompido inúmeras vezes – você com certeza vai achar um exagero o uso da palavra atrocidade.
Eu não.
Eu, que nessa mesma noite em que escrevo, já acordei 6x e na última vez, as 04:30 da manhã me dei por vencida – depois de ficar exaustivamente ninando um bebê de 12kg pela casa, no equivalente à uma caminhada daqui a Paris – entendo dos males que a restrição de sono pode causar.
Porque passo o dia virada em um Zumbi. Continuar lendo

Assinado, Y.G.

Ai aqui o sofrimento e outro, meu marido e um paizão, amigo companheiro esforçado, faz tudo por mim e pelos dois filhos, gente mais estou me sentindo tao mal desde que tive a 1 filha atualmente com 3 anos tenho vergonha do meu corpo, e piorou com o nascimento do 2 filho 1 ano.
Meu marido procura pra fazer amor, eu fujo ele e louco por mim, me ajuda pra ver se eu tenho mais disposição, mais oque ele não sabe que e a flacidez de meus seios e barriga que me atrapalho, ele e perfeito, faz tudo pra agradar, flores chocolate, mais eu ainda com vergonha, morro de medo dele se cansar e desistir de nos, pois agora estamos a quase 2 semanas sem fazer amor, e a culpa e toda minha, quase toda noite ele procura, de dar massagens carinho faz de tudo e eu num relaxo, morro de desejo mais quando ele toca nos seios eu travo, Socorro!!!”

* Compartilhe o seu “Momento Desabafo da Maternidade” por qualquer canal Mãe no Divã – contato pelo Blog, inbox no Facebook, direct no Instagram, mensagem no Twitter, pelo email maenodiva@gmail.com, por carta ou até mesmo por sinal de fumaça – e ele será publicado, de forma anônima, contando apenas com iniciais fictícias do nome da mamãe.

Assinado, D.C.

Tenho tanto a desabafar que não sei nem por onde começar…
Não sei se falo na crise no meu casamento, na minha crise existencial ou na minha restrição de sono.
Aliás, tudo passa pelas noites mal dormidas. Já ouvi falar que privação de sono interfere no raciocínio, no trabalho, mas tenho vivido na prática seus efeitos… Que são desastrosos.
E lá se vão dois anos sem uma noite decente. E quando amanhece eu acordo mais cansada.
Na teoria, ser mãe, mulher, esposa e profissional não parece tão difícil, mas pra mim é praticamente uma missão impossível. Imagine passar a noite trelando de um quarto a outro, pela manhã se esforçar para se levantar antes de todos, fazer o café da manhã, chegar (atrasada) no trabalho, voltar correndo, dar o almoço do pequeno, dar banho, atenção, brincadeiras, e a noite ainda estar linda, disposta e bem humorada para o marido. Essa última parte eu ainda não consegui. Ainda estou tentando sobreviver.
Ir ao banheiro para fazer as necessidades básicas, tomar um banho de cabeça e sem demora, comer sem pressa são meus desejos diários.
Não está nada fácil. Mas não imagino minha vida sem meu pequeno.”

* Compartilhe o seu “Momento Desabafo da Maternidade” por qualquer canal Mãe no Divã – contato pelo Blog, inbox no Facebook, direct no Instagram, mensagem no Twitter, pelo email maenodiva@gmail.com, por carta ou até mesmo por sinal de fumaça – e ele será publicado, de forma anônima, contando apenas com iniciais fictícias do nome da mamãe.